Revista Lubes em Foco
Encontro debate inovações nos materiais veiculares.
 Imprimir     Indicar para amigo
O Simpósio SAE BRASIL de Materiais , que se realizará dia 18 de abril, terá foco na capacidade da indústria brasileira em se adaptar às novas regras do Inovar Auto e continuar competitiva perante outros países. O evento discutirá os impactos que o novo regime automotivo trará para a indústria da mobilidade no que diz respeito à melhoria da eficiência energética e aos novos padrões de redução de emissão de CO2.

Promovido pela Seção Minas Gerais da SAE BRASIL, o encontro, que será realizado na Casa Fiat de Cultura, em Belo Horizonte – MG, na rua Jornalista Djalma Andrade, 1.250, bairro Belvedere, visa receber mais de 100 participantes e vai responder como a tecnologia de materiais poderá contribuir para o desafio de melhorar a eficiência energética dos motores.

De acordo com José Guilherme Silva, chairperson do simpósio, a necessidade de um debate aberto sobre as diferentes soluções propostas e disponíveis é muito importante, pois para usufruílas de forma mais efetiva será preciso que sejam consideradas desde o início do projeto dos veículos. Para isso, é preciso haver tecnologia de transformação disponível no País.

“Em outras palavras, o que impede a adoção de soluções tecnologicamente avançadas relativas à redução de peso dos veículos pela indústria automotiva brasileira, não é a falta de vontade das montadoras, muito menos a inexistência de materiais ou soluções por parte de seus produtores, mas a impossibilidade de produção a custos acessíveis por falta da tecnologia necessária à produção instalada no Brasil”, explica Silva.

Para o engenheiro esse problema gera um círculo vicioso que provoca atraso tecnológico em nossos veículos, e sem o preenchimento do gap fica difícil falar em inovação. “É no momento do desenvolvimento do projeto do veículo que se descobre quais as necessidades que a indústria nacional suprirá e o que a montadora precisará trazer de outros mercados”, acrescenta.

Silva acredita que é preciso ocorrer um debate aberto e sincero sobre os reais problemas que a indústria nacional apresenta. Sem isso, dificilmente haverá grande alavancagem. “É preciso aprofundar a discussão sobre a adaptação da indústria nacional para desenvolver materiais mais eficientes e que deverão se adaptar às novas normas do mercado”, diz.

O engenheiro acrescenta ainda que o Brasil enfrenta sério problema, pois não basta apenas ter as tecnologias disponíveis, é preciso que haja parque tecnológico capaz de produzir essa tecnologia.

“A demanda para esses desenvolvimentos existe, agora faltam investimentos para a indústria começar produzir”, finaliza.

Fonte: Companhia de Imprensa