Revista Lubes em Foco
Fábrica é convertida para processar óleo microbial.
 Imprimir     Indicar para amigo
A Solazyme converteu sua planta de fermentação em uma biorrefinaria, em Illinois, nos Estados Unidos, com capacidade para processar até 2 milhões de litros de óleo microbial e biocombustíveis por ano. Com os aportes na referida planta, ela passa a ser a principal unidade da empresa para demonstração e produção.

A Solazyme, Inc. (NASDAQ: SZYM), fabricante americana de óleos renováveis e bioprodutos, anunciou a conclusão do processo de modernização de sua unidade de fermentação em Peoria, no estado americano de Illinois. Com os aportes na planta, que realiza processos industriais de fermentação desde o final de 2011, a empresa passa a contar com uma nova biorrefinaria integrada (IBR), com capacidade de processamento de 2 milhões de litros de óleos renováveis derivados de microalgas e biocombustíveis por ano.

Peoria passa a ser a principal unidade de demonstração/produção comercial de óleos triglicerídeos da Solazyme. Para maximizar a eficiência de capital, a empresa iniciou a modernização da planta, adquirida da PMP Fermentation Products, em maio de 2011.

Os aportes foram parcialmente financiados com recursos do Departamento de Energia (DOE) dos Estados Unidos, destinados a incentivar a produção de biocombustíveis naquele país. Com a conversão da unidade em uma biorrefinaria, a Solazyme atinge os objetivos traçados para a planta dentro do programado e dá um passo importante na ampliação de sua capacidade produtiva.

A empresa foi uma das primeiras startups de biotecnologia a iniciar produção semicomercial de óleos renováveis e biocombustíveis ainda em 2007, viabilizada com a ajuda de parceiros e pela unidade de Peoria. Desde então, a Solazyme tem reportado incrementos e comprovada capacidade de produção linear em maior escala, inclusive diversas operações de fermentação de 128 mil litros de escala, realizadas na unidade de Peoria.

“A conversão da unidade de Peoria em uma biorrefinaria é um importante marco para a Solazyme, que demonstra a capacidade da companhia em viabilizar a produção de óleos renováveis alternativos às fontes convencionais de óleos. O Departamento de Energia dos Estados Unidos provou ser um parceiro de valor. O apoio do órgão deixa claro o impacto positivo que tecnologias como as da Solazyme podem produzir na economia americana, na criação de empregos em longo prazo e nos esforços para tornar o país independente energeticamente”, afirma Rogério Manso, Chief Commercialization Officer da Solazyme.

Fonte: Ketchum – Informação à imprensa